A poesia me encontrou. Encontrei-me na poesia! Concedo-lha portentosas asas para alçar longínquos voos e disseminar sonhos nos corações cúmplices e sensíveis. Que ela logre fabulosos rasantes em vastos mundos prenhes de luz e encontre, por fim, felizes e aconchegantes moradas em almas renovadas.

Simone Moura e Mendes

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O agora é já

No inconstante das emoções
sábio é quem não hesita
vive e sabe fazer a hora
não suplica outra sorte
não se traga pelas horas
faz a vida arrepiar a morte


O agora é agora
esvai-se sem demora
é o já que não se estanca
o que há de veraz
um instante loquaz
O futuro é pálido
o passado só jaz
o presente é impávido
tempo único que se abstrai


Não te percas, pois, no ontem
não te aflijas com o porvir
vive o pulsante durante
vê que a vida é como uma onda
que se faz no devenir
Simone Moura e Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário