A poesia me encontrou. Encontrei-me na poesia! Concedo-lha portentosas asas para alçar longínquos voos e disseminar sonhos nos corações cúmplices e sensíveis. Que ela logre fabulosos rasantes em vastos mundos prenhes de luz e encontre, por fim, felizes e aconchegantes moradas em almas renovadas.

Simone Moura e Mendes

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Lauta alegria de reencontro

Era Natal...
a família reassomara em torno da mesa
como nos tempos dantes
jamais olvidados aqueles tempos
guardados vivos na memória

Antigas diferenças a festa sepultara
mesmo que por aqueles poucos instantes
triunfara o reino da alegria
do sangue reencontrado na magia daquele Dia

Fartaram-se uns de peru e rabanada
para outros o efeito etílico do desejo era a primazia
e nenhuma sobriedade que pudesse ser decantada
modos moderados a cargo do Anfitrião Aniversariante
em pronta prontidão a proteger os seus discípulos

Fotografias, histórias comuns revividas
novas vidas inauguradas
velhas músicas nas vozes desafinadas
piadas reinterpretadas... risadas desinibidas
reaflorada a infância dormitante...
suspiros!

Ali não estavam todos – é verdade!
uns foram festejar na família do consorte
outros ascenderam aos braços do Aniversariante
mas a instituição era bem representada, decerto

No teto o declínio da lua anunciava a hora da saudade
algo ainda ficara por dizer - sempre fica, aliás
algumas horas foram nada mais que parcos instantes
para o viver daquela lauta alegria de reencontro

Simone Moura e Mendes

Nenhum comentário:

Postar um comentário